programação de computadores

Programação de computadores: Vagas sobrando e profissionais faltando.Veja como seguir em frente na carreira

Programação de computadores é um assunto que está cada vez mais em alta e isso acontece porque a falta de profissionais na área é grande.

Mas então porque a maioria que tenta trabalhar com programação de computadores acaba desistindo?

E porque muitos estudantes, mesmo ficando 4 anos em um curso de Ciências da Computação, acabam indo para outra áreas ?

A resposta é simples e direta, porque não é fácil !

programação de computadores não é fácil
Dedique-se a aprender programação

Na internet existe muito conteúdo afirmando que basta querer para tornar-se um programador e em certo ponto isso é verdade, só que enquanto alguns nascem com este dom, outros sofrem para aprender.

Neste artigo escrevo um pouco das minhas experiências como programador e falo também das vezes que desisti.

Continue lendo e talvez você identifique-se com o que aconteceu comigo e com muitas outras pessoas.

Programação de computadores é difícil (mas não é impossível)

Vou abrir o jogo, eu sou programador, mas desisti várias vezes, e por isso estou escrevendo este artigo, não sou o dono da razão, mas acredito que algumas das dicas possam ajudá-lo.

Quero mostrar os motivos que fizeram com que eu travasse em momentos cruciais da minha carreira e como isso me atrapalhou.

Caso você esteja no início de carreira vou deixar algumas dicas que podem fazer toda a diferença, vou começar com lógica de programação (o monstro da maioria), indo até a convivência no trabalho.

Eu sabia tudo, mas a lógica…

Vamos começar com a temida lógica e o porque das pessoas não conseguirem entender esta parte da programação de computadores.

Não sei você, mas quando eu estava na Universidade achei engraçado quando falavam para mim, “Você vai ver quando tiver que usar a lógica em programas mais complicados…”.

Eu pensava assim…

Lógica é simples, basta pensar em situações em que tenho mais de uma opção e colocar isso no sistema, usando if, while, for e outras estruturas condicionais e de repetição.

E é exatamente isso o que vídeos e outros artigos espalhados pela internet ensinam, mas como na maioria dos casos, falta o “pulo do gato”, aquele algo a mais que faz a diferença.

Veja a seguir como eu aprendi lógica computacional.

Como eu finalmente aprendi lógica computacional

O que falo aqui funcionou comigo, mas acredito que de certo para a maioria dos problemas que estudantes e profissionais da área encontram.

1 – Fixe uma lição para depois passar para próxima

Se você está no início, digamos em variáveis, aprenda tudo sobre variáveis, string, char, integer e outras.

Faça pequenos exercícios atribuindo valores as variáveis, aprenda a convertê-las de tipos, aprenda o que faz com que uma variável seja de determinado tipo.

Enfim, aprenda tudo o que puder sobre o assunto.

2 – Faça o mesmo com a condição IF

O if é geralmente a primeira condição que aprendemos e é a mais fácil e mais utilizada, o problema é que quando um programador usa só o if ele não é bem visto, além do mais os seus programas costumam não ser efetivos.

Eu mesmo no início da minha carreira usava praticamente somente o if para criar os meus programas.

Sem contar que os gerentes não tinham muita noção de como os programas funcionavam (alguns não tem até hoje) e o que eu fazia era validado somente por mim.

Porém você deve treinar os ifs o máximo que puder, mesmo porque é a melhor saída na maioria dos casos.

Treine ifs e else ifs (se, senão se), faça o máximo de exercícios que puder, até chegar ao ponto que sentir que possa resolver qualquer problema com eles.

Mas não é só isso, o legal está nas estruturas de repetição.

3 – Estruturas de repetição (começa a complicar um pouco, mas…)

As estruturas de repetição são utilizadas para criar as mesmas ações por um número de vezes determinado, no entanto alguns se atrapalham nesta parte.

A minha dica é, pegue um livro de algorítmos ou mesmo assista vídeos no Youtube e treine estruturas de repetição.

Estude While do, Do while e For, são estas as estruturas de repetição mais utilizadas.

4 – Arrays , monstros que assustam os iniciantes

programação de computadores
Os arrays são muito utilizados na programação de computadores

Em alguns casos você verá somente a palavra array, em outros vera como, array unidimensional e bidimensional ou vetores e matrizes.

Vou tratar aqui como array e o que exatamente é isso e porque a maioria dos programadores iniciantes travam quando chegam nesta parte ?

Não posso dizer que todos tem problemas com arrays, porém ao chegar neste tópico os problemas usados como exemplo também são mais complicados.

Um array é algo parecido como, integer numero[1, 21, 3, 4, 5, 105] e cada número atribuído tem uma posição (índice), 0,1, 2, 3, 4, 5 neste exemplo.

A diferença com variáveis comuns é que em um array é possível atribuir mais de um valor, enquanto em uma variável comum só vale um valor de cada vez.

5 – “Chamando arrays”

Em variáveis comuns a chamada é feita usando o nome da variável e em arrays usa-se o número do índice.

Um índice vai do zero(0) até o último número, veja o exemplo abaixo.

var carro = new array (“Fusca”, “Passat”, Volvo”, “BMW”)

No exemplo acima Fusca é zero(0) e BMW é três(3) e guardamos na variável carro um array de 4 elementos (0 a 3).

Pegue exemplos de algoritmos que utilizam arrays e treine bastante.

Estes são exemplos simples para você começar os estudos, mas antes de aprender a programar é interessante saber sobre quem é você !

Veja no tópico seguinte…

Programação de computadores e os auto didatas

Sabendo utilizar os exemplos do tópico anterior você estará a frente da maioria dos programadores iniciantes.

A questão é que você pode já estar afinado com o assunto anterior e mesmo assim não conseguir seguir em frente.

O motivo é simples, na programação não existe um passo a passo mastigado.

Aqui você começa a entender porque alguns conseguem crescer na área de desenvolvimento de sistemas, enquanto outro desistem.

Os auto ditadas “geralmente” saem na frente

Aqui vou separar este grupo em três partes, os auto didatas root (raiz), os “meio” auto didatas e os que não conseguem aprender sozinhos.

Vou tentar definir cada um dos tipos para que você consiga identificar-se e mostrarei em qual destes grupos que eu participo.

Os auto didatas root (raiz)

O primeiro grupo, root, são os que se dão melhor quando o assunto é aprender algo e são identificados já na infância.

São aqueles que parecem já saber o assunto, antes de alguém apresentá-lo, provavelmente você conheceu alguém assim na Universidade ou no trabalho.

A facilidade em aprender algo marca este grupo e são os que conseguem os melhores estágios, empregos e salários.

Notei que a maioria dos auto didatas preferem trabalhar sozinhos.

Com o passar dos anos percebi que os auto didatas root já nascem com características diferentes dos demais e geralmente são vistos como nerds, mas isso não é uma regra.

Os meio auto didatas (a maioria)

Eu me incluo neste grupo, isso porque durante toda minha carreira eu precisei de uma ajuda para entender como as coisas funcionam.

Até hoje prefiro os livros do que deslocar-me até uma escola para fazer um curso, mas aqui está a diferença…

Lendo livros, artigos ou mesmo assistindo vídeos no Youtube faz de você um meio auto didata , percebe?

Mas existe uma linha tênue do grupo que vem a seguir…

Os que não conseguem aprender sozinhos

Assim como os 100% auto didatas, existem os que precisam 100% serem levados pela mão para aprender algo.

Estes são os consumidores de cursos e sempre acreditam que “alguém” mostrará uma fórmula mágica, mas é claro que isso não existe.

Neste grupo encontram-se profissionais geralmente inseguros e que precisam da validação de outras pessoas para sentirem que estão no caminho certo.

Lembra que falei no início que iria falar das vezes que desisti, então, eu era o tipo de pessoa insegura e precisava da validação dos outros.

Isso fez com que eu desistisse algumas vezes e deixasse alguns trabalhos, até que a validação que eu esperava era coisa da minha cabeça e percebi que a única validação que importa é a minha.

Mas existe um facilitador e falo dele no tópico seguinte…

Sendo assim, o que eu preciso para trabalhar com programação de computadores ?

Tecnologia da informação é uma área ampla, e o assunto mais buscado é a programação de computadores.

A dica final que eu deixo para quem deseja seguir nesta área é, tenha foco e vá com calma.

É um chavão, mas é assim mesmo, você deve ir com calma e nunca comparar-se com o “vizinho”, faça as coisas do seu jeito, no seu ritmo.

A solução para isso está logo no início deste artigo, aonde falo sobre treinar cada parte do que estuda até que o assunto faça parte de você.

Não espere alguém pedir que faça algo, crie sistemas para estudos ou mesmo de graça para as pessoas, afinal você está aprendendo.

Comece criando sites em WordPress, depois parta para o soluções em Java Script, depois crie sites que precisem de um Banco de Dados.

Porque não criar um sistema em linguagem C ? O céu é o limite, senão der certo, tente novamente, escove bits a vontade.

E não pare por ai, vá em frente, não pare de estudar, quando menos esperar já estará no mercado de trabalho.

Chega um momento que percebe que em programação as linguagens são muito parecidas e o aprendizado fica cada vez mais fácil.

A lógica computacional é parecido com andar de bicicleta ou dirigir um carro, depois que aprendeu não esquece nunca mais.

Vá por mim, dedique-se a programação de computadores e torne-se um profissional confiante, trabalhe para grandes empresas ou crie o seu próprio negócio.

No vemos em algum projeto por ai !

Deixe uma resposta

Siga no Telegram

Receba as atualizações pelo Telegram

Entrar Agora
Fechar
%d blogueiros gostam disto: